O ARQUIVO E A ORGANIZAÇÃO DO DITO E DO VISÍVEL: ARMAZENAMENTO E CIRCULAÇÃO DOS SABERES SILENCIADOS NAS TRAMAS HIPERTEXTUAIS

Main Article Content

Rosane Borges

Resumo

Neste artigo, nos apoiamos em algumas reflexões que serpenteiam caminhos que seguem trilhas da filosofia, da história e dos recentes debates sobre o estatuto do propagável na cultura da conexão. Aqui, a noção de arquivo (da forma pensada por autores como Joseph Ki-Zerbo e Michel Foucault,) é basilar, pois visa demonstrar que a organização do dito percorre uma trajetória seletiva que nem sempre consegue pôr em cena saberes historicamente silenciados ou rebaixados. Ainda que a Internet tenha possibilitado um acesso inaudito às diversas formas de produção do conhecimento, persistem, na teia intricada de linguagens e códigos, fluxos que ordenam a informação a partir de discursos hegemônicos. A discussão que se põe em cena parte de uma trajetória convergente, de dupla face: adota as reflexões de pensadoras e pensadores negros, a exemplo de Sueli Carneiro, Mundinha Araújo e Edson Cardoso, no que diz respeito à construção e visibilidade do patrimônio africano e afro-brasileiro para tensionar o universo plural, habitado por várias linguagens, dos espaços digitais.

Article Details

Como Citar
BORGES, Rosane. O ARQUIVO E A ORGANIZAÇÃO DO DITO E DO VISÍVEL: ARMAZENAMENTO E CIRCULAÇÃO DOS SABERES SILENCIADOS NAS TRAMAS HIPERTEXTUAIS. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 7, n. 17, p. 163-189, out. 2015. ISSN 2177-2770. Disponível em: <https://abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/77>. Acesso em: 18 set. 2020.
Seção
Dossiê Temático