PANORAMA GEOHISTÓRICO DOS QUILOMBOS NO BRASIL: NOTAS PARA (RE)PENSAR A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA

Main Article Content

Gabriel Romagnose Fortunato de Freitas Monteiro

Resumo

O presente artigo abordará as discussões que envolvem a geo-história da questão quilombola e sua relação com a formação do terriório brasileiro, pondo em relevo os processos situacionais da construção de organizações territoriais próprias e autônomas em meio a uma sociedade colonial e escravocrata que se forjou entre os séculos XVI e XIX. A análise recupera criticamente e busca refletir a possibilidade de uma releitura da formação dos grupos aquilombados e suas múltiplas r-existências, inferindo grafias e espacialidades negras na trajetória de Brasil. Pela perspectiva da Geografia, o território e as múltiplas territorialidades negras de matriz afro-brasileira promovem um deslocamento analítico-conceitual e prático-construtivo nas ciências humanas e na ressemantização do entendimento dos quilombos contemporâneos. Desta forma, falar desta Geo-história é falar da construção de Brasil, com todas as contradições, (des)continuidades, rupturas e permanências.

Article Details

Como Citar
ROMAGNOSE FORTUNATO DE FREITAS MONTEIRO, Gabriel. PANORAMA GEOHISTÓRICO DOS QUILOMBOS NO BRASIL: NOTAS PARA (RE)PENSAR A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 12, n. Ed. Especi, p. 361-388, abr. 2020. ISSN 2177-2770. Disponível em: <http://abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/869>. Acesso em: 30 maio 2020.
Seção
Caderno Temático