A FILOSOFIA DO MALANDRO: ESTÉTICAS DE UM CORPO ENCANTADO PELA DESOBEDIÊNCIA

Main Article Content

Laudemir Pereira dos Santos

Resumo

O objetivo deste artigo é provocar reflexões sobre o aspecto filosófico do jogo de corpo da malandragem como um ato de resistência aos saberes hegemônicos eurocentrados. Proponho-me, portanto, a versar sobre a malandragem como um gesto étnico-racial de desobediência ao colonialismo. Observo que este comportamento afrorreferenciado é atravessado por grafias corporais geradoras de outras lógicas epistemológicas para além do cartesianismo. Duas questões suleiam minhas reflexões neste artigo: Seria o jogo de corpo do sujeito chamado de malandro, uma estratégia filosófica para desobedecer aos padrões coloniais de comportamento? Qual seria a razão dos termos malemolência e pelintra, que fazem parte do vocabulário da cultura afro-brasileira, serem abordados de forma preconceituosa e depreciativa nos dicionários de língua portuguesa?

Article Details

Como Citar
PEREIRA DOS SANTOS, Laudemir. A FILOSOFIA DO MALANDRO: ESTÉTICAS DE UM CORPO ENCANTADO PELA DESOBEDIÊNCIA. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 12, n. 31, fev. 2020. ISSN 2177-2770. Disponível em: <http://abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/834>. Acesso em: 28 mar. 2020.
Seção
Dossiê Temático